Translate

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Palestra com Pedro Vasquez

          A exposição "Ambulantes Ontem e Hoje" em homenagem ao trabalhador autônomo do Museu da Rocinha Sankofa Memoria e Historia  com a realização do IMS- Istituto Moreira Salles,   teve a presença do pesquisador, crítico, curador, professor, jornalista e fotografo Pedro Vasquez relatando sua experiência com fotografias em diálogo com outros fotógrafos ali presentes e com um dos responsáveis pelo Museu Antônio Firmino. 

O evento ocorreu no dia 11 de junho de 2014 no C4-Biblioteca Parque da Rocinha.



quinta-feira, 19 de junho de 2014

5º Fórum Nacional dos Pontos de Cultura



Reunião de encerramento com encaminhamentos nacional para o movimento da rede dos pontos de memória e da museologia social e para o Ibram.



5º Forum Nacional dos Pontos de Cultura








Momento do Lançamento do Livro Memória Viva de Icapuí




5º Fórum Nacional dos Pontos de Cultura

          Reunião da Teia da Diversidade nos dias 21 a 24 de maio na cidade de Natal Rio grande do Norte, com todos os representantes das rede de museologia social dos estados, Rio, Bahia, São Paulo, Paraíba, Minas, Ceara, Goias, Brasilia, Rio grande do Sul, Santa Catarina, Pontos de Memórias e consultores do Ibram e a coordenação do Programa Pontos de Memória do IBRAM.  












quinta-feira, 1 de maio de 2014

Exposição fotográfica Ambulantes Ontem e Hoje


Hoje, dia 1º de maio às 16h, haverá o lançamento de Exposição Fotográfica Ambulantes Ontem e Hoje, na Biblioteca Parque da Rocinha.

sites relacionados:

http://oglobo.globo.com/rio/ancelmo/?palavra=novos+ambulantes

http://www.mancheteonline.com.br/exposicao-ambulantes-ontem-e-hoje-na-rocinha/


Chá de Museu TEMPO DE MUTIRÃO

Chá de Museu TEMPO DE MUTIRÃO NAS DÉCADAS DE 70 E 80!

Dia 28 de março sexta feira, foi realizada pelo grupo pró Museu Sankofa Memória e História da Rocinha, no C4 Biblioteca Parque, o Chá de Museu TEMPO DE MUTIRÃO, depoimentos de moradores e ex moradores que colaboram para que a Rocinha conquistassem serviços públicos, como: coleta de lixo, saúde e na luta contra a remoção de algumas famílias nas décadas de 70 e 80 pelo Estado. 

terça-feira, 1 de outubro de 2013

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Intercambio Museu Sankofa/Rocinha e Ponto de Cultura Refazendo/Ceará:


Fotos do trajeto até a cidade Aracoiaba que faz do maciço de Baturité.







A primeira Universidade da Integração Internacional Lusofonia Afro- Brasileira na cidade e Redenção, uma grande conquista para Região e para os países de língua portuguesa.

domingo, 22 de julho de 2012

Lideranças participam de Chá de Museu na quadra do Acadêmicos da Rocinha, na Rua 1.


O evento que tem como finalidade apresentar a ideia de se fazer o Museu da Rocinha Sankofa Memória e História, aconteceu no sábado, 17/03, desta vez na Rua 1, na quadra do Acadêmicos. Estavam presentes os atores culturais da Rocinha, além de lideranças comunitárias.
Em cavaletes estavam expostas fatos, matérias que saíram de jornal, artigos e qualquer objeto que possa contar um pouco da história da Rocinha. A entrada era liberada para quem quisesse saber um pouco mais sobre as histórias da Rocinha.
O nome Sankofa tem um significado complexo, que diz muito da proposta do que os participantes do movimento acham do que deve ser esse museu. É um nome de origem africana, da Costa do Marfim e de Gana, representa um pássaro que tem a cabeça voltada para trás e os pés para frente. Que significa se você quer construir um futuro presente e mais organizado você tem que olhar o seu passado.
– Não é negar o passado que você vai construir um bom presente. A proposta do museu é nessa linha, se a gente quer contribuir com algo a mais para a comunidade a gente precisa refletir sobre esse passado ­ – afirma Firmino .
Segundo Firmino a ideia não é somente é importante para a comunidade, mas também para a sociedade do Rio de janeiro. Segundo ele não é negando o passado que vamos construir nossa história. Firmino explica que a história oficial já faz isso com a gente, nega a história do índio e do africano.
– A proposta é ser um espaço de contestação e responder algumas questões como, porque a Rocinha existes? Como contextualiza com o passado e apontar o presente fazendo as pessoas refletir? –diz.
Os integrantes do movimento pró-museu são: Firmino, Ronaldo, Maria Helena, Fernando Ermiro, Claudia do Instituto Reação, Rose e José Martins. As atividades da proposta do museu começou em 2005 e já há uma série de documentos que foram encontrados.


fonte: http://faveladarocinha.com
foto: Flávio Carvalho

Museu Sankofa participa do encontro dos Pontos de Memória em Brasília.


Carta define diretrizes para Política de Direito à Memória
O programa Pontos de Memória divulga nos próximos dias o texto final de documento com estratégias de articulação em rede voltadas para a construção e de uma política pública de Direito à Memória.
A carta, que está sendo finalizada, é resultado de encontro realizado na semana passada, na sede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) em Brasília (DF), entre 32 representantes e articuladores de Pontos de Memória e Museus Comunitários das cinco regiões do Brasil.
Autonomia, descentralização, diversidade e cooperação foram os princípios norteadores da carta, que apresenta 15 princípios, 18 propostas e 13 itens de agenda voltados para a articulação de redes, fomento, financiamento e sustentabilidade, qualificação e inventário participativo. 
Entre as propostas apresentadas, destacam-se a capacitação de agentes comunitários de memória para a realização de inventários participativos; a criação de uma plataforma virtual colaborativa para reunir e difundir dados sobre as ações desenvolvidas nos estados; e a inserção de conteúdos relacionados a território, memória e patrimônio nos currículos escolares das redes públicas de educação.
O documento, que em breve estará disponível para consulta no site do Ibram, será referendado na 4ª Teia da Memória, que acontece ainda este ano.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Nossa Missão


“...Minha intenção é ruim, esvazia o lugar!
...Eu tenho uma missão e não vou parar!
...Vim pra sabotar seu raciocínio!
...Vim pra abalar o seu sistema nervoso e sanguíneo!”
Racionais mc`s
“Eu não vim explicar, eu vim confundir!”
Chacrinha
“não vim trazer paz, mas espada. Mateus 10:34-36”
Jesus
Se não sei quem sou, como posso saber qual é minha missão?
Se estamos aqui em um grupo numa favela, somos de uma etnia que não branca, significa que somos a minoria política.
E quando se está perdido qualquer caminho serve? Esquerda, direita, centro?
Um pouco de história:
O povoamento do Brasil se deu em três partes:
1_ do extermínio e estupro dos índios
“...das práticas da sexualidade e da servidão no Brasil. O corpo feminino deveria servir ao português. Miscigenar, verbo muito utilizado para explicar essa mistura, tinha o objetivo de juntar sexualmente corpos de raças e etnias diferentes, em condições sociais igualmente diferentes. Muitas vezes isso aconteceu à força, sendo que os estupros eram comuns naquele tempo. Ao homem português era dado o direito de usufruir da vida de todos os habitantes da colônia. Esse direito ocorria devido à sua condição de “senhor” da família patriarcal. Aliás, é oportuno explicitar aqui que família vem da palavra latina“famulus” que significa escravos domésticos de um mesmo senhor: mulheres, filhos, crianças, escravos, terras, etc
2_ trabalho escravo:
”... a força de trabalho escrava tenha sido à base da economia brasileira até fins do século XIX,”
3_ homem livre pobre
“... a plantagem requeria a intervenção de um pequeno número de trabalhadores qualificados, mas desde o início deste século existia no Nordeste uma mão-de-obra excedente formada pelos homens livres pobres, os quais viviam como agregados, moradores, meeiros, rendeiros, etc.
O homem livre pobre vivia na dependência dos senhores de engenhos. Esses homens que viviam nos engenhos, por concessão dos proprietários, formavam uma elevada percentagem da população rural livre do Nordeste, e eles normalmente eram mestiços.”
(...)“As pessoas enviadas para as colônias não recebiam um estatuto de proletário; serviam de quadros, de agentes de administração, de instrumentos de vigilância e de controle dos colonizados. E era sem dúvida para evitar que entre esses "pequenos brancos" e os colonizados se estabelecesse uma aliança, que teria sido ai tão perigosa quanto a unidade proletária na Europa, que se fornecia a eles uma sólida ideologia racista.”(...) Emília Viotti da Costa.
Olhemos para o nosso grupo e vejamos do que somos compostos?
Pergunto a quem servimos? A nós mesmos, ou somos levados por ideologias prontas e impostas sem que percebamos, partidos políticos e etc.? Nossa missão é copiar a forma organizacional, burocrática e ineficiente burguesa. Ou pensar numa nova forma de se pensar a favela, sua realidade e sua necessidade, a partir de instrumentos que não existem. Uma vez que a realidade na qual estamos inseridos e a qual pertencemos não foi pensada pelo modelo que ora queremos copiar.
Temos real entendimento dos conceitos que usamos? Os conceitos que lançamos mão dizem respeito a nossa realidade operaria ou repetimos jargões liberais? Que pregam que a massa não anda sem uma cabeça e que para andar é preciso um líder, se acreditarmos que somos uma liderança nesta favela, apoiamos o conceito liberal. Então nos diremos pelo social, mas fazendo uso de ferramentas, e pior ainda crenças, liberais.
Estaremos a serviço do neoliberalismo sem nos darmos conta, estaremos contribuindo para a manutenção do sistema que pensamos estar destruindo.
Quem somos?
Um grupo perene de intelectuais de favela e não sazonais pensadores de favela
O que fazemos?
Pensamos, a partir do nosso olhar, a favela, nossa vivencia e nossos problemas, como moradores, militantes e atuantes.
Para quem?
Pensamos em nós mesmos e para nós. E para mais 20% da população do Rio de janeiro, que somam 1.092.783 de pessoas que vivem em favelas.
Acreditamos que os diferentes devem ser tratados de maneira diferente.
A democracia é feita de diferentes. Assim como o estado defende interesses próprios devemos defender os nossos, isso é regra do jogo democrático.
Devemos sair da posição de coitados e parar de esperar pela tutela e proteção do estado. Devemos aceitar o fato e realizar em nossas mentes que somos cidadãos.
Devemos marcar a nossa posição como diferentes, estamos inseridos na cidade formal e daí? Como o que?
Devemos propor e dirigir as propostas ao estado. O estado é grande e tem grandes preocupações. Não tem competência nem habilidade para lidar com problemas deste setor especifico que é a favela.
Nossa missão é propor ao estado políticas ao nosso interesse e necessidade.

por Fernando Ermiro

terça-feira, 4 de outubro de 2011

domingo, 4 de setembro de 2011

Resumo da reunião com responsável pelo Centro Cultural da Rocinha!

Prezados(as) participantes do Fórum Cultural da Rocinha, segue breve relato da reunião do dia ३०/०८/11
Pauta: respostas da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro em relação ao C4 ou Bibloteca Parque, pela Superintendente da Leitura e do Conhecimento da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro frente as cartas encaminhadas pelo Fórum Cultural da Rocinha sobre as questões das atividades e contribuições com o regimento interno para melhor ser gerido o espaço público para a cidade do Rio de Janeiro!

Solicitamos pela Superintendente para que a Secretaria de Cultura providencie uma placa que informe as ações que estão sendo previstas e data que será inaugurada como foi mencionado pela Superintendente prevista para mês de Novembro!

Em relação ao nome Biblioteca Parque é uma rede de Bibliotecas que traz um novo conceito e isto contribuiria para captar recursos junto a iniciativa privada, o que já vem sendo feito, se Rocinha quiser trocar o nome tem todo direito mas, ficará de fora da rede das Bibliotecas Parque!

As poderações da Superintendencia frente as cartas do Fórum, no sentido de que, como o Fórum pode contribuir para que a Casa de Cultura da Rocinha, que ora se encontra abandonada, possa ser reformada para sediar atividades, como um espaço de extensão da Biblioteca Parque/ C4, para isto é necessário um planejamento! Onde temos que contribuir para construir.

Na Biblioteca Parque/C4, além de não ser inaugurada há reparos a serem concluidos, pois a obra foi litereamnete mal feita em vários aspectos frente a isto as reformas necessárias que terão que ser feitas pela própria Secretaria de Cultura, que já iniciaram.

Construção de mais um eixo que será o Território da Rocinha onde terão que ser desenvolvidos nos Laboratórios de todas atividades onde o objeto será a própria Favela da Rocinha!

Sugestões que saíram:

Mover Ação contra o Estado sobre a as obras de reponsabilidade da EMOP frente ao C4 ou Bibliotec Parque;

Teto verde, como podemos ver juntos, pois, sendo uma ação que SEC e a superintencia veem realizando;

Espaço anexo (antigo predio do Zé do queijo que foi adquirido pela Emop) a sugestão é pensarmos em um projeto ecológico para a área que não pode ser construir prédio segundo Emop por estar em cima de um Rio.

Em relação ao Lixo que será produzido no C4 ou Biblioteca Parque o que podemos pensar e fazer em conjunto?

A próxima reunião será dia 06 de setembro as 18:30 no 17ª na ESCOLA DE MUSICA DA ROCINHA!


Equipe coordenadora

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Reunião de Ministros da Cultura do Mercosul
Brasil ocupa presidência pró-tempore do Mercosul
Na abertura da XXXI Reunião de Ministros da Cultura do Mercosul, no último sábado (20), no Rio de Janeiro, o ministro da Cultura, Juca Ferreira, destacou que é chegado o momento dos países do Mercosul darem um novo passo. “Vinte anos depois, o Mercosul não pode ter apenas circulação de mercadorias, mas também deve ter integração cultural entre seus países”, e corroborou sua proposta dizendo que estranha “perceber que conhecemos mais a cultura de outros países, como os da América do Norte e da Europa, enquanto não conhecemos a das nações latinoamericanas”.
Durante este semestre, o Brasil é o presidente pró-tempore do Mercosul. Dentre outras funções, cabe ao país que ocupa a Presidência Pro-Tempore determinar, em coordenação com as demais delegações, a agenda dos encontros e organizar as reuniões dos órgãos do Mercosul. Os encontros do Mercosul Cultural fazem parte do esforço dos países integrantes de encontrar novos pontos de convergência, que conduzam à consolidação da integração cultural dos países da região.
Dentre os temas tratados na reunião de ministros, a implementação do Selo Mercosul Cultural, circulação e comercialização de obras de arte, entre outros. Este encontro teve como objetivo, também, discutir o aprimoramento e a integração entre as diferentes instâncias dos países integrantes e a criação da Secretaria Técnica do Mercosul Cultural e do Fundo Mercosul Cultural.
Na reunião, destacou-se, ainda, o papel fundamental da cultura no fortalecimento e na consolidação do processo de integração regional; a necessidade de proteger, promover e difundir a diversidade cultural da região, além de mostrar a cultura como um dos motores do desenvolvimento social e econômico, a partir do reconhecimento de suas dimensões simbólicas, cidadã e econômica.
Participaram do encontro os ministros da Cultura do Peru, Juan Ossio, do Uruguai, Ricardo Ehrlich, do Paraguai, Ticio Escobar, além da Diretora Nacional de Política Cultural e Cooperação internacional da Argentina, Monica Guariglio.
Ponto de Cultura na Rocinha

O ministro da Cultura, Juca Ferreira, ciceroneou seus colegas de continente e demais autoridades em uma visita ao Ponto de Cultura Centro de Cultura e Educação Lúdica da Rocinha, iniciativa apoiada pelo Ministério da Cultura, na qual as atividades desenvolvidas utilizam o brincar como ferramenta de educação, valorização da cultura e preservação da história local।
A instituição também desenvolve um trabalho amplo na comunidade, promovendo um levantamento sociocultural (entrevistando moradores antigos e artistas), cineclube, oficinas de brincantes, entre outras atividades culturais. A instituição também tem acervo com diversos vídeos brutos, além de três produções concluídas, brinquedos e amplo material histórico da Rocinha.
“O mérito das realizações culturais é das comunidades”, ressaltou Juca Ferreira, lembrando o esforço das pessoas envolvidas em trabalhar com cultura, mesmo antes, quando não tinham apoio. “A entrada do Ministério da Cultura neste contexto ajuda na qualificação das relações sociais e na construção da cidadania por meio de ferramentas culturais”, explicou.
Antonio Carlos Firmino, coordenador do Centro de Cultura e Educação Lúdica da Rocinha, contou que órgãos de turismo apontam que a Rocinha já é o quinto lugar mais visitado do Rio, e destacou que “por mais que façamos cultura, a oportunidade que hoje temos é muito maior do que a de anos anteriores”, constatação que levou o ministro da Cultura a demonstrar o desejo de que, nos próximos anos, o Brasil consiga ter 20 mil Pontos de Cultura espalhados pelo seu território.
Durante a visita, algumas apresentações foram feitas na quadra da Acadêmicos da Rocinha. Apresentaram-se a Bateria Ritmo Avassalador (Mirim e Adulta), os grupos de capoeira “Abadá” e “Acorda”, mais o grupo de dança mirim do Estúdio Espaço Aberto de Dança Yolanda Demetrio.
Pontos de Cultura no MERCOSUL
Os países do Mercosul têm manifestado interesse em conhecer e implementar os Pontos de Cultura, adaptando-os à realidade de cada país. O programa é realizado pelo Ministério da Cultura, por meio de convênios estabelecidos com entes federativos, para potencializar iniciativas e projetos culturais já desenvolvidos por comunidades, grupos e redes de colaboração.
(Texto: Comunicação Social/MinC)
(Fotos: André Melo, Comunicação Social/MinC)

terça-feira, 26 de outubro de 2010

MEMORIA SOCIAL, MUSEU E TRABALHO COMUNITÁRIO NA ROCINHA, RIO DE JANEIRO.

Antonio Carlos Firmino
Lygia Segala


Um café e um suco de maracujá. Um calor de verão “de chapar”. Começamos, às vésperas da festa do Padroeiro, nossa conversa – ou nossa prosa diz Firmino - para montar este texto. Um texto em diálogo. Trabalhamos sobre a memória com o sentido de recuperar no tempo os modos através dos quais foram tecidos os interesses e os resultados do nosso projeto .
Ao longo de 2009, através do ProExtMEC Cultura, identificamos, classificamos e organizamos o acervo de documentos textuais e iconográficos sobre a trajetória de moradores e iniciativas de trabalho comunitário na Rocinha , arquivado no Laboratório de Educação Patrimonial da UFF , com o intuito de abri-lo à consulta pública, especialmente às escolas da rede municipal na comunidade. Esse investimento de pesquisa e documentação realizado sustenta um objetivo estratégico de criação de um banco de dados e de consolidação de um museu na Rocinha. Exposições de um artista da comunidade na Universidade , a produção de um pequeno vídeo documentário , a participação com o Pipal no Segundo Dia da Cultura da Rocinha realizado pelo Fórum de Cultura, foram produtos acumulados, durante o ano, que também ajudaram a pensar em processo as especificidades de um museu na localidade.
A discussão contemporânea no país em torno dos sentidos e dos usos sociais de museus comunitários urbanos, em favelas e em bairros populares, vem crescendo e se complexificando em instituições públicas, universidades, associações, grupos representativos de moradores. O significado de comunidade, de imediato ligado à contigüidade geográfica, às praticas sócio-culturais comuns, relativiza-se por uma compreensão mais fina de redes políticas circunstancialmente localizadas, de um “tecido social móvel” . Os museus comunitários, interessados na construção de uma memória coletiva que organize um discurso identitário, expressam assim disputas simbólicas e tensões entre essas redes, flutuações de valores atribuídos a acontecimentos e às lembranças, mediações autorizadas no uso político do passado. O trabalho seletivo sobre a memória, definido nesses processos, envolve muitas negociações principalmente aquelas em torno da pesquisa e da documentação, do patrocínio, do mercado . Nas iniciativas, proclama-se, no mais das vezes, um outro discurso social sobre as favelas, avesso à razão mítica – o encantamento, a exotização das culturas populares – e ao miserabilismo - a vitimização da pobreza. Afirmam-se autorias, visibilidade histórica, relações de reconhecimento social.
No Rio de Janeiro, o Museu da Maré inaugurado em 2006, tornou-se uma referencia nacional, apresentando e problematizando a vida cotidiana na favela, a história do processo de ocupação do lugar, as reivindicações locais urbanas e políticas.
Na Rocinha, estimuladas pelas políticas públicas de Cultura, as preocupações já antigas com o conhecimento e a valorização da memória e da história local precisam-se, em algumas propostas, durante o I Fórum Cultural realizado na comunidade ( julho de 2007): o Museu Comunitário, a Casa de Bamba, a Rocinha dos Construtores, a re-edição do livro Varal de Lembranças.
Antonio Carlos Firmino: No Fórum, reunimos moradores com trabalho na área sócio-cultural. Eram artistas, cantadores, artesãos em dialogo direto com o governo do estado, mobilizados para o desenvolvimento cultural da localidade. Na época, eu coordenava os projetos sociais da ASPA e já fazia parte da equipe do Centro de Cultura e Educação Lúdica da Rocinha . Ao longo das discussões, pensamos na criação da Casa de Bamba para valorização do samba de raiz, do samba de roda, com a participação da Velha Guarda da Rocinha contando histórias. Já a Rocinha dos Construtores seria uma homenagem aos moradores, operários da construção civil, feita através de um trabalho de pesquisa e documentação sobre mestres construtores que edificaram a Rocinha e que fizeram e fazem a cidade do Rio de Janeiro. Pretendíamos assim dar continuidade aos registros fotográficos de edifícios com importância para a memória construída da Rocinha, testemunhos do engenho e da criatividade, marcos de valor afetivo para a identidade da comunidade. A idéia de um museu ou de um centro de memória que articulasse essas iniciativas começou a aparecer nesses debates. Não tínhamos ainda muita clareza sobre como coletar e organizar acervo, sobre como definir o lugar do projeto.
Lygia Segala: Nas nossas primeiras conversas, lembro que a idéia de definir um centro, um lugar fixo para o museu, era sempre muito problemática, tendo em vista o tamanho, as redes políticas, a diversidade interna da Rocinha.
ACF: A forma como a Rocinha se constituiu como favela não foi diferente de muitas outras do Rio de Janeiro. A falta de políticas públicas ou a política da ausência destinadas à população marginalizada sempre contribuiu para que houvesse os chamados “aglomerados sub-normais” (denominação utilizada atualmente pelo IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A favela da Rocinha hoje ocupa uma área de 95 hectares ou 957.253m², segundo dados do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC - , e tem uma população estimada em mais 100.000 habitantes, localizada entre dois bairros nobres da zona Sul do Rio de Janeiro: Gávea e S. Conrado.
LS: Ao longo do processo de ocupação desta área, desde os anos 1920, as diferentes ruas, redes de vizinhança foram definindo sub-áreas de moradia como a rua 1, rua 2, Dioneia, Bairro Barcelos e tantas outras. Luis Antonio Machado fala de uma “estrutura atomística na favela” . Diante deste quadro, a idéia de um museu itinerante, em circulação, se afirma.
ACF: É bom lembrar que em 2007, já desenvolvíamos o projeto da Ação Griô, apoiada pelo Ministério da Cultura, para a inserção da tradição oral na escola pública. Tentávamos identificar e mobilizar moradores mais antigos de diferentes áreas para contar historias de como era a Rocinha tempos atrás, a partir da ludicidade. Nessas prosas Griô, com café e bolo, os mais velhos falavam sobre as brincadeiras dos seus tempos de meninos. Era jogo de bola, patinete, ciranda, descidas de rolimã que se emendavam, nas recordações, às corridas de baratinha na estrada da Gávea que faziam sucesso nos anos 1930. A partir dessas histórias e de outras do Varal de Lembranças criamos o Mapa-jogo: no caminho, uma Rocinha lúdica - um jogo participativo de trilha que permite uma visita a diferentes tempos e localidades da Rocinha.
LS: Já no Varal, havia essa preocupação em fazer entrevistas em vários pontos, com redes diversas de moradores. O trabalho, que se desdobrou no livro, surgiu na minha sala de aula, da Escola comunitária da ASPA, em 1977. Nos livros da escola não encontrávamos qualquer referencia às favelas da cidade nem à Rocinha. Os textos disponíveis quase sempre descreviam esses “aglomerados” pelo viés da patologia social: favela era câncer urbano, espaço social “onde reina a contravenção e a vagabundagem”. Tratamos então de ouvir as versões dos moradores sobre a “história do morro”, desmontar, pelo confronto de dados, as sentenças preconceituosas da história oficial, investir na afirmação de uma nova identidade social não estigmatizada. Esse exercício compilatório mobilizou muito rapidamente os alunos, suas redes de relações, membros da diretoria da Associação de Moradores . Durante dois anos, recolhemos entrevistas, fotos, documentos, cartas, recortes de jornal. Organizamos os depoimentos e os documentos seguindo a lógica de um desfile de carnaval, mostrando versões concorrentes de lembranças contadas. Editamos o livro. Na época, ele foi utilizado nas escolas da Rocinha, rendendo histórias infantis, exposições, murais ilustrados. Foi emocionante falar sobre o Varal, junto com a Tânia , que organizou o livro comigo, mais de vinte anos depois, na Jornada de Educação e Cultura que vocês organizaram.
ACF: Esta Jornada (junho de 2007) foi um espaço para a reflexão sobre educação e cultura, de forma propositiva, voltada para as educadoras, novas lideranças e antigas. Queríamos buscar uma ação que contribuísse para a melhoria da educação na comunidade, onde a questão cultural, as brincadeiras, a Memória e a Historia locais fossem levadas em consideração.
Lembro que na Jornada, o Mario Chagas, naquela época do Departamento de Museus do IPHAN [Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional], nos lançou um desafio: escrever um projeto para a criação de um museu na Rocinha. Começamos a buscar documentos, reunir papéis, informações. A idéia do Sankofa Museu foi tomando corpo . Sankofa é uma palavra Akan das nações africanas de Ghana e da Costa do Marfim que significa "devemos olhar para trás e recuperar nosso passado assim podemos nos mover para frente; assim compreendemos porque e como viemos a ser quem somos nós hoje." Uma das formas de representação baseia-se na imagem de um pássaro mítico que está com os pés plantados firmemente para frente e com a cabeça olhando pra trás, como um certo guia para planejar o futuro.

Esta simbologia, a meu ver, resume a busca pelo direito da Memória e da Historia. Esse é um passo muito importante para que uma comunidade, seja ela qual for, se sinta motivada, estimulada para contribuir na construção de um presente melhor pois, o futuro sempre será o amanhã. O direito à Memória e à Historia, registrada em livros, peças teatrais, filmes e Museu vem trazendo muitos questionamentos entre intelectuais, autoridades e comunidades. Para que?! Em relação a Museu, já não basta os que existem na cidade? Para que criar um Museu dentro da Favela? Imaginem só se todas as Favelas resolverem querer ter seu Museu comunitário! Só terão visitantes da Favela e de Favelas que tenham o controle da mesma facção ou milícia! Isto infelizmente não irá a frente, será um gasto de recursos, em muitos casos públicos! Nestas localidades a gestão pública não conseguiu sequer resolver o problema de segurança! Com certeza são esses os discursos que correm sobre o direito à Memória e à Historia do Favelado.
LS: Foi nesse momento da Jornada que nos aproximamos mais, estabelecendo as primeiras pontes entre o trabalho de vocês e as linhas de ação do LABOEP - UFF . Fizemos então acordos em torno da disponibilização do nosso acervo, da realização de seminário sobre Museu comunitário . Fomos construindo um sentido de parceria na extensão universitária distinto do assistencialismo e da tutela dos “outros”. Escrevemos o projeto a muitas mãos e apostamos na realização coletiva do trabalho.
ACF: É certo que as realidades dos Moradores das Favelas sempre foram escritas de fora para dentro sob os olhares racistas, preconceituosos e excludentes, e pela academia como objeto de pesquisa. Quando o morador de uma Favela ou da Periferia tem a oportunidade de se expressar escrevendo a sua própria realidade isto incomoda. Os que são contra, logo expressam: nós já relatamos sobre o modo de vida dos moradores desta classe social! Temos muitas publicações sobre as favelas! O que este pessoal quer mais?
A idéia de criar um museu na Rocinha não é nova. O que está colocado na ordem do dia é o direito à Memória e à Historia escrita ou relatada por aqueles que sempre foram excluídos desde processo. Inúmeros profissionais ligados à cultura, educação e militantes sociais locais, sempre tentaram manter viva, na memória da comunidade, as suas lutas pelo direito básico à moradia, à educação, à saúde, fazendo assim Historia. As diversas formas de reivindicações por melhorias para sua localidade sempre se transformaram em conflito com os poderes públicos. A política da ausência é contribuinte da exclusão.
LS: Nas notícias dos jornais, reunidas no acervo do nosso projeto Proext MEC Cultura, é recorrente o lugar das favelas nas páginas policiais. Lembro como foi difícil, nos anos 1970, mesmo através de contatos com jornalistas conhecidos, conseguir as primeiras reportagens sobre o trabalho comunitário, as ações reivindicatórias, a associação de moradores. Depois, com a efervescência do movimento de remoção X urbanização de favelas, com a participação ativa da Igreja Católica – a lembrar a visita do Papa à favela do Vidigal - , houve uma certa estabilização desta pauta de interesses. Os textos publicados, no período, pelo Tagarela, jornal comunitário, são contrapontos preciosos para entender essa trama de versões sobre as políticas sociais e urbanas.
Todos esses documentos, organizados durante o projeto, constituem uma base de referência importante para o Museu, mapeando pessoas, acontecimentos e lugares de apoio à memória suscetíveis de se tornar tradição . Os abaixo-assinados, fotos, noticias, musicas em torno da reivindicação e da conquista da primeira passarela sobre a auto-estrada Lagoa-Barra naqueles anos, foram reunidas em um dossiê a ser entregue a Oscar Niemeyer, responsável, hoje, pelo projeto da nova passarela ligada às obras do PAC. A idéia é convencê-lo a criar, nesse desenho recente, um monumento revelador e comemorativo daquele momento histórico importante nas lutas da comunidade. Outros monumentos começam a ser reconhecidos na Rocinha.
ACF: Nós imaginamos o Museu, por agora, como itinerante: exposições que passando pelos becos e ruas da Rocinha, possam apresentar dados, documentos, fotos, objetos da sua história na cidade. Antes tentaremos fazer contato com instituições, pessoas desses cantos, preparando a visita. A exposição seria levada por arautos, jovens com gosto e experiência com o teatro. Na rua, abrirão rodas de conversas, trocas de conhecimentos. A expectativa é discutir com os moradores o próprio sentido do Museu. Se interessados, poderiam até doar, em confiança, algum documento, um objeto, alargando a mostra, as lembranças. Importa trazer para esse sentido de exposição móvel, a prosa Griô, a contação de histórias. Queremos filmar e fotografar esses eventos para apresentá-los nas escolas estimulando novas atividades.
Estamos agora preparando o “Chá de Museu” e a Grafitagem de muros de arrimo e postes na estrada da Gávea , tendo como tema os acontecimentos da história da Rocinha. Estes eventos preparam o lançamento público do Museu, depois do Carnaval. As atividades estão a todo vapor!!
Nós do Centro Lúdico, nos tornamos Ponto de Cultura, aprovado em Edital do Ministério da Cultura, em 2004. Avançamos. Hoje temos o grande e prazeroso desafio de contribuir para que a Rocinha, considerada maior favela do Rio de Janeiro, possa ter seu espaço de Memória e Historia . O Centro Lúdico atua e está presente no Fórum Cultural da Rocinha e nos Fóruns de Pontos de Cultura do Estado do Rio de Janeiro. É muito importante estar insistindo sobre o nosso direto aos bens culturais da cidade!
LS: De fato, todos esses anos de trabalho, de preparação, já fazem parte da construção do Museu que vai aos poucos se definindo como um exercício de mobilização, de troca de experiências, de reivindicação identitária. Comparando com iniciativas afins talvez fosse importante refletir ainda, a partir do Museu, sobre os programas de turismo cultural ou turismo social que tem a favela como lugar de visitação.
ACF: O turismo na Rocinha é um grande desafio. Segundo dados das Associações de moradores, instituições locais e o Forum de turismo, a Rocinha recebe, por mês, mais de 1.500 turistas! Estes números são muito interessantes em se tratando de uma favela. Comentar sobre Turismo e Museu para nós do Centro de Cultura e Educação Lúdica é considerar, em primeiro lugar que estamos pensando em um espaço de memória/ historia dentro da favela que priorize e legitime o que é importante do ponto de vista do morador. É ele sobretudo que deve usar o Museu. Em segundo lugar, que temos críticas ao tipo de turismo exotic tours que vemos por aqui, Esta é uma questão que sempre gerou polêmica na comunidade. Ver a miserabilidade dos favelados a partir da ausência do poder publico, ver a comunidade como passiva (nem sempre) diante disso, parece que é o que chama mais a atenção dos gringos.
Hoje, a Rocinha recebe um bom números de turistas mas os moradores não se apropriam das informações sobre o bairro. O Forum de Turismo busca realizar uma ação onde a comunidade possa ter o direito ao diálogo no sentido de definir o que seria interessante disponibilizar para os turistas.
Memória e Historia sempre foram espaços de poder no conjunto de qualquer sociedade. Em se tratando da nossa podemos dizer que é muito perverso. Temos o direito a ter um espaço da nossa Memória e Historia. Isto não é criar um Museu-gueto, como vem sendo colocado por muitos. Queremos um espaço de dialogo com o conjunto da sociedade. Os chamados “museus comunitários” ou “museus sociais” por estarem em territórios desprivilegiados, sem os direitos da cidade, sofrem com este estigma.
LS: Nesse movimento parece importar mais do que a consagração do lugar de memória, a vontade de memória.



Rio de Janeiro, 20 de janeiro de 2010

domingo, 10 de outubro de 2010

MEMORIA SOCIAL, MUSEU E TRABALHO COMUNITÁRIO NA ROCINHA, RIO DE JANEIRO.





MEMORIA SOCIAL, MUSEU E TRABALHO COMUNITÁRIO NA ROCINHA, RIO DE JANEIRO.





Antonio Carlos Firmino
Lygia Segala




Um café e um suco de maracujá. Um calor de verão “de chapar”. Começamos, às vésperas da festa do Padroeiro, nossa conversa – ou nossa prosa diz Firmino - para montar este texto. Um texto em diálogo. Trabalhamos sobre a memória com o sentido de recuperar no tempo os modos através dos quais foram tecidos os interesses e os resultados do nosso projeto .
Ao longo de 2009, através do ProExtMEC Cultura, identificamos, classificamos e organizamos o acervo de documentos textuais e iconográficos sobre a trajetória de moradores e iniciativas de trabalho comunitário na Rocinha , arquivado no Laboratório de Educação Patrimonial da UFF , com o intuito de abri-lo à consulta pública, especialmente às escolas da rede municipal na comunidade. Esse investimento de pesquisa e documentação realizado sustenta um objetivo estratégico de criação de um banco de dados e de consolidação de um museu na Rocinha. Exposições de um artista da comunidade na Universidade , a produção de um pequeno vídeo documentário , a participação com o Pipal no Segundo Dia da Cultura da Rocinha realizado pelo Fórum de Cultura, foram produtos acumulados, durante o ano, que também ajudaram a pensar em processo as especificidades de um museu na localidade.
A discussão contemporânea no país em torno dos sentidos e dos usos sociais de museus comunitários urbanos, em favelas e em bairros populares, vem crescendo e se complexificando em instituições públicas, universidades, associações, grupos representativos de moradores. O significado de comunidade, de imediato ligado à contigüidade geográfica, às praticas sócio-culturais comuns, relativiza-se por uma compreensão mais fina de redes políticas circunstancialmente localizadas, de um “tecido social móvel” . Os museus comunitários, interessados na construção de uma memória coletiva que organize um discurso identitário, expressam assim disputas simbólicas e tensões entre essas redes, flutuações de valores atribuídos a acontecimentos e às lembranças, mediações autorizadas no uso político do passado. O trabalho seletivo sobre a memória, definido nesses processos, envolve muitas negociações principalmente aquelas em torno da pesquisa e da documentação, do patrocínio, do mercado . Nas iniciativas, proclama-se, no mais das vezes, um outro discurso social sobre as favelas, avesso à razão mítica – o encantamento, a exotização das culturas populares – e ao miserabilismo - a vitimização da pobreza. Afirmam-se autorias, visibilidade histórica, relações de reconhecimento social.
No Rio de Janeiro, o Museu da Maré inaugurado em 2006, tornou-se uma referencia nacional, apresentando e problematizando a vida cotidiana na favela, a história do processo de ocupação do lugar, as reivindicações locais urbanas e políticas.
Na Rocinha, estimuladas pelas políticas públicas de Cultura, as preocupações já antigas com o conhecimento e a valorização da memória e da história local precisam-se, em algumas propostas, durante o I Fórum Cultural realizado na comunidade ( julho de 2007): o Museu Comunitário, a Casa de Bamba, a Rocinha dos Construtores, a re-edição do livro Varal de Lembranças.
Antonio Carlos Firmino: No Fórum, reunimos moradores com trabalho na área sócio-cultural. Eram artistas, cantadores, artesãos em dialogo direto com o governo do estado, mobilizados para o desenvolvimento cultural da localidade. Na época, eu coordenava os projetos sociais da ASPA e já fazia parte da equipe do Centro de Cultura e Educação Lúdica da Rocinha . Ao longo das discussões, pensamos na criação da Casa de Bamba para valorização do samba de raiz, do samba de roda, com a participação da Velha Guarda da Rocinha contando histórias. Já a Rocinha dos Construtores seria uma homenagem aos moradores, operários da construção civil, feita através de um trabalho de pesquisa e documentação sobre mestres construtores que edificaram a Rocinha e que fizeram e fazem a cidade do Rio de Janeiro. Pretendíamos assim dar continuidade aos registros fotográficos de edifícios com importância para a memória construída da Rocinha, testemunhos do engenho e da criatividade, marcos de valor afetivo para a identidade da comunidade. A idéia de um museu ou de um centro de memória que articulasse essas iniciativas começou a aparecer nesses debates. Não tínhamos ainda muita clareza sobre como coletar e organizar acervo, sobre como definir o lugar do projeto.
Lygia Segala: Nas nossas primeiras conversas, lembro que a idéia de definir um centro, um lugar fixo para o museu, era sempre muito problemática, tendo em vista o tamanho, as redes políticas, a diversidade interna da Rocinha.
ACF: A forma como a Rocinha se constituiu como favela não foi diferente de muitas outras do Rio de Janeiro. A falta de políticas públicas ou a política da ausência destinadas à população marginalizada sempre contribuiu para que houvesse os chamados “aglomerados sub-normais” (denominação utilizada atualmente pelo IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A favela da Rocinha hoje ocupa uma área de 95 hectares ou 957.253m², segundo dados do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC - , e tem uma população estimada em mais 100.000 habitantes, localizada entre dois bairros nobres da zona Sul do Rio de Janeiro: Gávea e S. Conrado.
LS: Ao longo do processo de ocupação desta área, desde os anos 1920, as diferentes ruas, redes de vizinhança foram definindo sub-áreas de moradia como a rua 1, rua 2, Dioneia, Bairro Barcelos e tantas outras. Luis Antonio Machado fala de uma “estrutura atomística na favela” . Diante deste quadro, a idéia de um museu itinerante, em circulação, se afirma.
ACF: É bom lembrar que em 2007, já desenvolvíamos o projeto da Ação Griô, apoiada pelo Ministério da Cultura, para a inserção da tradição oral na escola pública. Tentávamos identificar e mobilizar moradores mais antigos de diferentes áreas para contar historias de como era a Rocinha tempos atrás, a partir da ludicidade. Nessas prosas Griô, com café e bolo, os mais velhos falavam sobre as brincadeiras dos seus tempos de meninos. Era jogo de bola, patinete, ciranda, descidas de rolimã que se emendavam, nas recordações, às corridas de baratinha na estrada da Gávea que faziam sucesso nos anos 1930. A partir dessas histórias e de outras do Varal de Lembranças criamos o Mapa-jogo: no caminho, uma Rocinha lúdica - um jogo participativo de trilha que permite uma visita a diferentes tempos e localidades da Rocinha.
LS: Já no Varal, havia essa preocupação em fazer entrevistas em vários pontos, com redes diversas de moradores. O trabalho, que se desdobrou no livro, surgiu na minha sala de aula, da Escola comunitária da ASPA, em 1977. Nos livros da escola não encontrávamos qualquer referencia às favelas da cidade nem à Rocinha. Os textos disponíveis quase sempre descreviam esses “aglomerados” pelo viés da patologia social: favela era câncer urbano, espaço social “onde reina a contravenção e a vagabundagem”. Tratamos então de ouvir as versões dos moradores sobre a “história do morro”, desmontar, pelo confronto de dados, as sentenças preconceituosas da história oficial, investir na afirmação de uma nova identidade social não estigmatizada. Esse exercício compilatório mobilizou muito rapidamente os alunos, suas redes de relações, membros da diretoria da Associação de Moradores . Durante dois anos, recolhemos entrevistas, fotos, documentos, cartas, recortes de jornal. Organizamos os depoimentos e os documentos seguindo a lógica de um desfile de carnaval, mostrando versões concorrentes de lembranças contadas. Editamos o livro. Na época, ele foi utilizado nas escolas da Rocinha, rendendo histórias infantis, exposições, murais ilustrados. Foi emocionante falar sobre o Varal, junto com a Tânia , que organizou o livro comigo, mais de vinte anos depois, na Jornada de Educação e Cultura que vocês organizaram.
ACF: Esta Jornada (junho de 2007) foi um espaço para a reflexão sobre educação e cultura, de forma propositiva, voltada para as educadoras, novas lideranças e antigas. Queríamos buscar uma ação que contribuísse para a melhoria da educação na comunidade, onde a questão cultural, as brincadeiras, a Memória e a Historia locais fossem levadas em consideração.
Lembro que na Jornada, o Mario Chagas, naquela época do Departamento de Museus do IPHAN [Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional], nos lançou um desafio: escrever um projeto para a criação de um museu na Rocinha. Começamos a buscar documentos, reunir papéis, informações. A idéia do Sankofa Museu foi tomando corpo . Sankofa é uma palavra Akan das nações africanas de Ghana e da Costa do Marfim que significa "devemos olhar para trás e recuperar nosso passado assim podemos nos mover para frente; assim compreendemos porque e como viemos a ser quem somos nós hoje." Uma das formas de representação baseia-se na imagem de um pássaro mítico que está com os pés plantados firmemente para frente e com a cabeça olhando pra trás, como um certo guia para planejar o futuro.

Esta simbologia, a meu ver, resume a busca pelo direito da Memória e da Historia. Esse é um passo muito importante para que uma comunidade, seja ela qual for, se sinta motivada, estimulada para contribuir na construção de um presente melhor pois, o futuro sempre será o amanhã. O direito à Memória e à Historia, registrada em livros, peças teatrais, filmes e Museu vem trazendo muitos questionamentos entre intelectuais, autoridades e comunidades. Para que?! Em relação a Museu, já não basta os que existem na cidade? Para que criar um Museu dentro da Favela? Imaginem só se todas as Favelas resolverem querer ter seu Museu comunitário! Só terão visitantes da Favela e de Favelas que tenham o controle da mesma facção ou milícia! Isto infelizmente não irá a frente, será um gasto de recursos, em muitos casos públicos! Nestas localidades a gestão pública não conseguiu sequer resolver o problema de segurança! Com certeza são esses os discursos que correm sobre o direito à Memória e à Historia do Favelado.
LS: Foi nesse momento da Jornada que nos aproximamos mais, estabelecendo as primeiras pontes entre o trabalho de vocês e as linhas de ação do LABOEP - UFF . Fizemos então acordos em torno da disponibilização do nosso acervo, da realização de seminário sobre Museu comunitário . Fomos construindo um sentido de parceria na extensão universitária distinto do assistencialismo e da tutela dos “outros”. Escrevemos o projeto a muitas mãos e apostamos na realização coletiva do trabalho.
ACF: É certo que as realidades dos Moradores das Favelas sempre foram escritas de fora para dentro sob os olhares racistas, preconceituosos e excludentes, e pela academia como objeto de pesquisa. Quando o morador de uma Favela ou da Periferia tem a oportunidade de se expressar escrevendo a sua própria realidade isto incomoda. Os que são contra, logo expressam: nós já relatamos sobre o modo de vida dos moradores desta classe social! Temos muitas publicações sobre as favelas! O que este pessoal quer mais?
A idéia de criar um museu na Rocinha não é nova. O que está colocado na ordem do dia é o direito à Memória e à Historia escrita ou relatada por aqueles que sempre foram excluídos desde processo. Inúmeros profissionais ligados à cultura, educação e militantes sociais locais, sempre tentaram manter viva, na memória da comunidade, as suas lutas pelo direito básico à moradia, à educação, à saúde, fazendo assim Historia. As diversas formas de reivindicações por melhorias para sua localidade sempre se transformaram em conflito com os poderes públicos. A política da ausência é contribuinte da exclusão.
LS: Nas notícias dos jornais, reunidas no acervo do nosso projeto Proext MEC Cultura, é recorrente o lugar das favelas nas páginas policiais. Lembro como foi difícil, nos anos 1970, mesmo através de contatos com jornalistas conhecidos, conseguir as primeiras reportagens sobre o trabalho comunitário, as ações reivindicatórias, a associação de moradores. Depois, com a efervescência do movimento de remoção X urbanização de favelas, com a participação ativa da Igreja Católica – a lembrar a visita do Papa à favela do Vidigal - , houve uma certa estabilização desta pauta de interesses. Os textos publicados, no período, pelo Tagarela, jornal comunitário, são contrapontos preciosos para entender essa trama de versões sobre as políticas sociais e urbanas.
Todos esses documentos, organizados durante o projeto, constituem uma base de referência importante para o Museu, mapeando pessoas, acontecimentos e lugares de apoio à memória suscetíveis de se tornar tradição . Os abaixo-assinados, fotos, noticias, musicas em torno da reivindicação e da conquista da primeira passarela sobre a auto-estrada Lagoa-Barra naqueles anos, foram reunidas em um dossiê a ser entregue a Oscar Niemeyer, responsável, hoje, pelo projeto da nova passarela ligada às obras do PAC. A idéia é convencê-lo a criar, nesse desenho recente, um monumento revelador e comemorativo daquele momento histórico importante nas lutas da comunidade. Outros monumentos começam a ser reconhecidos na Rocinha.
ACF: Nós imaginamos o Museu, por agora, como itinerante: exposições que passando pelos becos e ruas da Rocinha, possam apresentar dados, documentos, fotos, objetos da sua história na cidade. Antes tentaremos fazer contato com instituições, pessoas desses cantos, preparando a visita. A exposição seria levada por arautos, jovens com gosto e experiência com o teatro. Na rua, abrirão rodas de conversas, trocas de conhecimentos. A expectativa é discutir com os moradores o próprio sentido do Museu. Se interessados, poderiam até doar, em confiança, algum documento, um objeto, alargando a mostra, as lembranças. Importa trazer para esse sentido de exposição móvel, a prosa Griô, a contação de histórias. Queremos filmar e fotografar esses eventos para apresentá-los nas escolas estimulando novas atividades.
Estamos agora preparando o “Chá de Museu” e a Grafitagem de muros de arrimo e postes na estrada da Gávea , tendo como tema os acontecimentos da história da Rocinha. Estes eventos preparam o lançamento público do Museu, depois do Carnaval. As atividades estão a todo vapor!!
Nós do Centro Lúdico, nos tornamos Ponto de Cultura, aprovado em Edital do Ministério da Cultura, em 2004. Avançamos. Hoje temos o grande e prazeroso desafio de contribuir para que a Rocinha, considerada maior favela do Rio de Janeiro, possa ter seu espaço de Memória e Historia . O Centro Lúdico atua e está presente no Fórum Cultural da Rocinha e nos Fóruns de Pontos de Cultura do Estado do Rio de Janeiro. É muito importante estar insistindo sobre o nosso direto aos bens culturais da cidade!
LS: De fato, todos esses anos de trabalho, de preparação, já fazem parte da construção do Museu que vai aos poucos se definindo como um exercício de mobilização, de troca de experiências, de reivindicação identitária. Comparando com iniciativas afins talvez fosse importante refletir ainda, a partir do Museu, sobre os programas de turismo cultural ou turismo social que tem a favela como lugar de visitação.
ACF: O turismo na Rocinha é um grande desafio. Segundo dados das Associações de moradores, instituições locais e o Forum de turismo, a Rocinha recebe, por mês, mais de 1.500 turistas! Estes números são muito interessantes em se tratando de uma favela. Comentar sobre Turismo e Museu para nós do Centro de Cultura e Educação Lúdica é considerar, em primeiro lugar que estamos pensando em um espaço de memória/ historia dentro da favela que priorize e legitime o que é importante do ponto de vista do morador. É ele sobretudo que deve usar o Museu. Em segundo lugar, que temos críticas ao tipo de turismo exotic tours que vemos por aqui, Esta é uma questão que sempre gerou polêmica na comunidade. Ver a miserabilidade dos favelados a partir da ausência do poder publico, ver a comunidade como passiva (nem sempre) diante disso, parece que é o que chama mais a atenção dos gringos.
Hoje, a Rocinha recebe um bom números de turistas mas os moradores não se apropriam das informações sobre o bairro. O Forum de Turismo busca realizar uma ação onde a comunidade possa ter o direito ao diálogo no sentido de definir o que seria interessante disponibilizar para os turistas.
Memória e Historia sempre foram espaços de poder no conjunto de qualquer sociedade. Em se tratando da nossa podemos dizer que é muito perverso. Temos o direito a ter um espaço da nossa Memória e Historia. Isto não é criar um Museu-gueto, como vem sendo colocado por muitos. Queremos um espaço de dialogo com o conjunto da sociedade. Os chamados “museus comunitários” ou “museus sociais” por estarem em territórios desprivilegiados, sem os direitos da cidade, sofrem com este estigma.
LS: Nesse movimento parece importar mais do que a consagração do lugar de memória, a vontade de memória.



Rio de Janeiro, 20 de janeiro de 2010

Negar o passado

Negar o passado é nós negarmos principalmente quando de vontade própria, mas, quando somos levados a ignoramos – nos, desconsiderando o passado em função de um, projeto de reconstrução de uma Nação, os danos para o futuro são incalculáveis!!!

sexta-feira, 19 de março de 2010

Fórum de Cultura da Rocinha e Ponto de Cultura Centro Lúdico promovem 1º Chá de Museu na curva do "S".

Chá de Museu na Rocinha mobiliza comunidade


Latas d’água que remetem ao tempo em que era preciso percorrer quilômetros a pé para matar a sede, modelos de brinquedos que passaram de geração para geração, como pipas e carrinhos de rolimã, maquete do modelo de barraco de pau a pique, predominante nos anos 40, apresentação de rodas de capoeira, que fazem reverência às raízes afro-brasileiras, relatos de moradores que vivenciaram toda formação e transformação de uma das maiores favela do país, que reúne cerca de 56 mil habitantes. Um movimento a favor da memória e do resgate da história da Rocinha, na cidade do Rio de Janeiro, vem crescendo. No último sábado (30) a comunidade realizou um ato inaugural - o primeiro Chá de Museu, com a participação de lideranças comunitárias, moradores e de representantes do Departamento de Processos Museais do Instituto Brasileiro de Museus (DPMUS – IBRAM).

Também em andamento é a organização do acervo produzido entre 1974 e 1986, que constitui o livro Varal de Lembranças.

Morador da Rocinha desde os dois anos, Robson Pacífico, 43, artista plástico, músico e ativista cultural, diz que a necessidade de se criar um museu é antiga porque a comunidade de certa forma não se conhece e desconhece sua história. “A Rocinha sofreu muitas mudanças que não foram registradas. Há muitas pessoas novas aqui e muitas antigas também. O movimento pró-museu está se solidificando a cada dia”.

Para Antônio Carlos firmino, 43, morador da Rocinha há 16 anos, professor de Geografia e um dos responsáveis pelo projeto do museu na comunidade, diz que o Museu da Rocinha se concretizou a partir do momento em que saiu do campo das idéias para o das ações . “Desde o momento em que começamos a fazer circular o acervo para que a comunidade se veja nesse museu , ele vem ganhando forma. Mas os moradores também estão ansiosos em saber sobre o espaço físico deste museu.”

Outro projeto em gestação na comunidade é a elaboração de um conjunto de painéis de grafite realizado por grafiteiros da Rocinha e de outras comunidades do Brasil, com objetivo de contar a história de ocupação e desenvolvimento do território da favela. O projeto deve ser lançado ainda no primeiro semestre de 2010, com o apoio do Ibram.

Segundo o diretor do Departamento de Processos Museais do Ibram, Mário Chagas, a história da Rocinha acompanha o próprio desenvolvimento da história do Rio de Janeiro e é uma referência importante na cidade. “A comunidade reúne imigrantes nordestinos, mineiros e de outros estados e regiões do país. Vale ressaltar que a história da Gávea em torno da qual a Rocinha se desenvolve foi palco das famosas corridas automobilísticas no tempo das baratinhas, nos anos 40 e 50, em que teve como corredor de destaque Chico Landi. Tudo isso faz parte da memória da Rocinha e da memória da cidade e deve estar presente no museu”.

O museu comunitário na Rocinha pretende ser uma ferramenta de inclusão da comunidade, apresentando ao conjunto da população suas narrativas sobre quem são seus moradores, suas trajetórias de vida e como enxergam a cidade como um todo. De acordo com Firmino, o museu vai se pautar principalmente no direito dos moradores ao território. “ A Rocinha só existe porque as pessoas se organizaram, lutaram pelo direto à terra, liberdade e moradia. Muitos que vieram do Nordeste contam que a Rocinha parecia um quilombo.”

Por que Museu Sankofa ? – Sankofa é uma palavra Akan das nações africanas de Ghana e da Costa do Marfim que significa “devemos olhar para trás e recuperar nosso passado para podermos nos mover para frente; e assim compreendermos o porquê e como viemos a ser quem somos hoje”. Uma das formas de representação do museu baseia-se na imagem de um pássaro mítico que está com os pés plantados firmemente para frente e com a cabeça olhando para trás, como certo guia para planejar o futuro.

fonte: IBRAM

terça-feira, 16 de março de 2010

Primeira ação do Museu Sankofa Rocinha







O FÓRUM CULTURAL DA ROCINHA, criado em 2007, abre espaço para discussão, criação, gestão e participação popular do MUSEU Sankofa, além de discussões de políticas públicas para a cultura local.

O Ponto de Cultura Centro de Cultura e Educação Lúdica da Rocinha vem trabalhando no levantamento da memória e história, com entrevistas, coletando material de acervo para um Museu de Memória e Historia da Rocinha Sankofa com a nossa cara.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Fórum de turismo é tema de estudo

Desde que a favela virou destino de muitos turistas, estudiosos tentam entender as formas de organização de grupos que trabalham no segmento, que se mostra em reconstrução, pois moradores que antes só faziam parte do cenário hoje têm a oportunidade de atuar no direcionamento de ações, como os valores a serem passado aos turistas e a possibilidade de gerar renda para a localidade। Essa consolidação requer uma relação harmoniosa entre moradores/agentes e as operadoras de turismo। Esse contexto está sendo apresentado no trabalho de mestrado de Elisa Spampinato, italiana que se apaixonou pela Rocinha. Abaixo, a entrevista feita por e-mail com ela.










- Porque escolheu a Rocinha para realizar sua pesquisa?
A Rocinha foi a primeira favela que conheci quando cheguei no Rio em 2003 e logo me apaixonei por ela. A Rocinha tem uma energia especial, capaz de conquistar as pessoas.

- Qual sua origem?
Italiana.

- Quando começou a pesquisa?
Acompanho a Rocinha desde 2003. Mas comecei a me interessar do fenômeno do turismo na Rocinha, de forma aprofundada, desde o ano passado.

- O trabalho foi mestrado, não é?
Mestrado em Engenharia de Produção. Título do trabalho: “turismo em favelas cariocas e desenvolvimento situado: a possibilidade do encontro em seis iniciativas comunitárias”

- Qual instituição de ensino?
COPPE- UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro

- Quais outras comunidades participaram?
A favela de Vila Canoas, a Tavares Bastos no Catete, Babilônia e Chapéu Mangueira e o conjunto do Cantagalo, Pavão e Pavãozinho.

- Qual foi sua conclusão sobre esse trabalho?
Entre as várias conclusões, meu trabalho evidenciou que é possível vivenciar um “outro” tipo turismo que seja respeitoso das pessoas e das culturas locais, desde que, de um lado, a comunidade assuma seu papel de protagonista em todo o processo de organização e gestão da atividade turística e, do outro, o turista reconheça e respeite as diferenças e seja mais aberto ao encontro. Dessa forma é possível pensar e organizar um tipo de turismo que signifique não apenas crescimento material e simbólico para a localidade, mas também, desenvolvimento social e cultural, tanto para a comunidade quanto para o turista.
A partir da análise dos casos concretos foi observado que através do turismo é realmente possível construir laços de solidariedade e cooperação entre culturas diferentes, e isso acontece quando a viagem significa verdadeiro encontro e dialogo entre sujeitos ativos, o turista e a comunidade. O turismo, dessa forma,significa construção de dialogo intercultural e troca de experiências e saberes que é o motor do crescimento humano e cultural em cada sociedade.